• Home
  • Blog
  • Indústria de Refrigeração

Soldagem por Resistência

Soldagem por resistência é um processo de união (principalmente de chapas). Tem variáveis relacionadas a espessura da chapa e ao requisitos da junta soldada.

Para chapas finas (até 0,5 mm) ela é conhecida como solda ponto. Para espessuras maiores, a concentração da energia é feita através de deformações que criam pontos de contato proeminentes. A energia flua por estas, é então chamada de soldagem por resistência por projeção.

Na soldagem por resistência por costura, onde o eletrodo tem a forma de disco. Conforme a chapa a ser soldada vai avançando o transformador via disparando os pulsos de solda e a mesma se apresenta de forma continua. E muito utilizada na indústria de equipamentos domésticos e hospitalares com cubas, pias, reservatórios, etc..

Não muito comum é a soldagem de topo. É utilizadas para união de tubos ou barras, quando o seu aproveitamento numa alimentação continua se faz necessária ou união de pequenas peças a outras.

A tecnologia aplica o efeito Joule, que é última em analise é um curto circuito, entre os circuitos primários ( transformador) e secundários ( cordoalha e eletrodos e peças a ser solda, sendo que a maior resistência se dá justamente entre as peças a serem soldadas).

Novas Tecnologias

Uma das grandes dificuldades da soldagem por resistência é a soldagem de materiais dissimilares, tais como cobre x aço ou cobre x alumínio. Comum na industria de refrigeração. Para escapar desta limitação, emprega-se a brasagem de peças intermediárias, o que eleva o custo e adiciona processos.

Com o advento da tecnologia de Média Frequência que emprega inversores de frequência (na ordem de 1000 Hz) tornou-se possível a soldagem por resistência de materiais dissimilares.

Ela hoje é largamente empregada também na soldagem de materiais similares, sendo a indústria automobilista uma das suas grandes referências.

Pela redução dos trafos de soldagem, sua aplicação em automações permitiu a alocação do trafo no robot. Desta forma reduz igualmente o comprimento do circuito secundário.

Conhecida como Solda por Média Frequência, esta condição deve ser avaliada na implantação de novos processos por soldagem por resistência, bem como a substituição para processos existentes.

Traz consigo o balanceamento da rede de energia elétrica, pois trabalha com Cos Phi, em torno de 0,9.

Para maiores detalhes veja o artigo anexo – Soldagem Por Resistência_ Inversores de Média Frequência

 

Shark Consulting  – Paixão pela Engenharia